sexta-feira, 28 de setembro de 2012

Casa Velha...Depois II

Vou mostrar mais uma parte da casa, onde em cada parede existe amor.
  
Daqui, não há muito a dizer sobre o antes, esta é uma das partes da casa onde em tempos existia só um sótão, um local onde apenas os ratos conviviam com todos os outros tipos de animais de campo.

E por trás desta janela, está…


…O meu quarto:

Para o lado direito fica a cama, para o esquerdo o móvel.
Adoro o meu quarto, acho maravilhosa a minha água furtada.

O banco se vê ao fundo, fazia parte da mobília do quarto do meus avós, era o banco do toucador , que infelizmente não consegui recuperar dado o seu estado, apenas o banco resistiu. 
 O toucador

 A telas que estão nas mesas de cabeceira, vieram da nossa Lua de Mel.

 Este móvel, também veio da casa dos meus avós, na foto do toucador, podem ver o antes deste móvel, reflectido no espelho (ao lado da caixa de cartão).

 Os móveis recuperados não eram da casa velha do Sr. Velhinho, eram da casa que habitava em Lisboa.


 Em breve, mostrarei mais...

Bom fim de semana 

segunda-feira, 24 de setembro de 2012

Casa Velha...Depois I

...Depois de vos ter contado a história de uma casa muita velha aqui, continuo a história com recantos, daquela que agora é, uma casa onde em cada parede existe amor...

O Hall;

Era uma vez, um quarto interior, pequeno, muito pequenino, onde apenas haviam duas camas de corpo e uma mesa-de-cabeceira entre elas.

Era nesse pequeno quarto, que dormiam os netos do Sr. Velhinho quando por lá passavam férias, onde brincavam, onde adormeciam com o som dos ratos e de mais animais que pelo sótão se passeavam, mas também, de onde têm boas recordações dos tempos de criança.

Foram esses mesmos netos, que depois de crescidos, meteram mãos à obra e que do espaço onde em outros tempos dormiram, fizeram este espaço que une toda a casa entre si…


No recanto que fica por baixo da escada, podem ver a máquina de costura que pertencia à mulher do Sr. Velhinho, e que costurou para toda a família durante anos, fossem simples bainhas de calças ou vestidos para a neta, ou até mesmo maravilhosos trabalhos de patchwork, como agora se chamam, mas nos tempos em que a Sr.ª os fazia, eram simples almofadas, colchas ou sacos de pão, feitos de retalhos.
Como aquela que está em cima da banqueta que está por baixo da escada, mas que não se vê bem.
A janela pequena que se vê por trás da escada de ferro, é a da cozinha.


Um nicho com uma Nossa de Fátima feita à mão e em madeira.
A Nossa Senhora de Fátima, não podia faltar nesta casa.


Este, é o pátio interior.
Onde em tempos existia mais um quarto interior, o quarto do filho e da nora do Sr. Velhinho, esta foi uma forma de trazer luz à casa.
A grande janela que se vê, é a do quarto do neto do Sr. Velhinho, onde era sala e casa de jantar da velha casa. 
É para este pequeno pátio, que também dá a pequena janela da cozinha. (1ª foto)


Em frente à escada, está esta antiga mesa de cozinha à espera de ser restaurada.
Tal como quase todos os móveis desta casa, esta mesa também faz parte da história da família, ou não tivesse esta mesa sido a mesa de partos, onde nasceu o filho do Sr. Velhinho, é verdade, foi nesta mesa que a Sr.ª, esposa do Sr. Velhinho, deu à Luz o seu filho, hoje com 69 anos, por isso, esta mesa tem no mínimo essa "idade" e a pedra, ainda é a original.

As flores de papel que se vêm no centro de mesa, são flores das festas da terra, que todos os anos vão sendo substituídas, por flores novas, no dia a seguir ao fim das festas.

E pronto, esta é só uma parte daquela que em tempos foi uma casa velha, muito velha que chegou mesmo a estar em risco de ruir, mas que agora, é o recanto de lazer de uma maravilhosa família!

Em breve, mostrarei mais...

segunda-feira, 17 de setembro de 2012

Vou contar a história de uma casa muito velha...

...Era uma vez, uma casa muito velha, tão velha que, já ninguém lá podia pernoitar.

A casa era de um senhor velhinho, muito velhinho que nos tempos áureos da sua vida, a tinha adquirido para passar férias, já que aquela era a terra que o tinha visto nascer, mas que pelas piores razões, foi obrigado a deixar com 7 anos de idade quando rumou sozinho a Lisboa, pois a mãe tinha acabado de se suicidar o pai não queria saber dele.


O Velhinho e o Bisneto mais velho na terra que o viu nascer

Era uma casa com 3 quartos, dois dos quais interiores, uma pequena sala, uma cozinha, uma garagem onde não cabia o carro… tal não era a confusão.

A percorrer toda a casa, havia um sótão, onde não se punha nada, apenas os ratos conviviam com todos os outros tipos de animais de campo.

Atravessando o quintal, estava a casa de banho completa, com banheira é verdade, mas a água, essa, não havia canalizada, a banheira servia apenas para amparar a água que era aquecida em panelas de ferro no “fogão de chão” e que depois de “destemperada” era deitada por cima dos corpos.

Como era uma casa de férias e que nunca sofreu nenhum tipo de obras, foi-se deteriorando. A caliça das paredes cedeu, e os móveis tiveram que ser todos encostados à parede para a amparar.

Com a chegada da água canalizada à vila, chegou também o dia, em que o filho e netos (leia-se neto, neta e marido desta) do velhinho, decidiram meter mãos à obra, e fazer daquela casa (que em tempos tinha sido de férias mas que agora era apenas mais uma casa fechada numa aldeia de Portugal), uma casa de lazer para toda a família.

Estávamos no ano 2000.

E assim começaram, foram anos de romaria TODOS os fim-de-semana para a “terra” que não era deles, mas que eles adoptaram.

Começaram por destralhar, partir e construir, aquilo que dava para fazerem, sim, porque aquelas obras, FORAM ELES (uma família de Eng. Civis), que as fizeram, aquela casa, foi quase toda construída por eles, com muito trabalho, com muitos sacrifícios, mas também como muito prazer.

Claro está, que chegou a uma altura em que tiveram que entrar profissionais e em que “passaram a pasta”.

Estamos no ano de 2012 e embora as obras já tenham acabado (não há muitos anos), faltam ainda algumas coisas, pois os mealheiros “secaram” e o “porco” ainda está a ser engordado. Mesmo assim, são muitos os bons momentos que a família tem passado na sua casinha de lazer.
E o Sr. velhinho, esse, ainda consegui ver a sua casinha reconstruída e passar alguns bons momentos lá.
Partiu o ano passado, mas feliz, pois aquilo que mais temia era que a família vende-se a sua casa. Partiu com a certeza, de que isso não aconteceria.

E não acontecerá, Avô!

A mesma sorte não teve a sua esposa, que não chegou a ver a casa depois de reconstruída.

Esta é a história de uma casa, em que em cada parede há amor…





sexta-feira, 14 de setembro de 2012

E amanhã é um grande dia...

... para o meu tesouro.



Vai ser a estreia dele em palco.

O tesouro faz parte de um grupo de teatro amador, e amanhã pelas 21:30 é a grande estreia.

Para ti meu tesouro, e como se diz aos artistas, muita M_ _ _A!!!

quinta-feira, 13 de setembro de 2012

Desafio - Caminhos de Portugal V

... E por aqui damos como terminadas as nossas férias.

São sempre dias muito bem passados, para mim, a melhor zona do país, um local onde não me importava nada, mas mesmo nada de viver, o problema é mesmo a falta de trabalho, porque a casa, essa já nós temos…

Até uns tempos atrás, ainda dava para ir passar o fim-de-semana, mas com os constantes aumentos da gasolina e a introdução de pórticos por tudo o que é estrada, passou a ficar um bocadinho dispendioso apenas para o fim-de-semana. Agora, temos que aguardar que venha um fim-de-semana prolongado, uma ponte ou umas mini férias.

Ora então, vejam lá se conhecem esta zona do país?













A maior omelete do mundo, embora tenha demorado mais tempo do que o previsto, bateu o record e já está no livro do Guiness.


Qual o vosso palpite?

Está bonito, está...

...A capela da aldeia onde tenho a minha "casinha" de lazer, foi assaltada, tentaram roubar o sino, mas devido ao seu peso, acabou por cair e por se partir.

É lamentável, bem feito que não ficaram com o sino, mas é terrível,  pois foi mais uma parte do nosso património que se perdeu.




quarta-feira, 12 de setembro de 2012

Desafio - Caminhos de Portugal IV - Resultado

... As fotos do post anterior podiam ser de qualquer praia em qualquer ponto do país, mas aquelas eram na Praia da Saúde na Costa da Caparica.

Outro dos locais por onde passámos durante as nossas férias, não foi planeado e gostava mesmo de não ter ido lá, foi ao Hospital de Torres Novas, é verdade, o tesourinho deu uma grande queda, desceu 4 degraus de uma escada de xisto e não foi de pé, nem de rabos, foi mesmo...de cara e depois de alguns dias de curativos, o aspecto ainda era este;



Mas agora já está bem e depois desta, muitas quedas mais se seguiram... é que ele é muito sossegadinho. :)

terça-feira, 11 de setembro de 2012

Desafio - Caminhos de Portugal IV

... As fotos do último post são da Nazaré, tal como disse a Dulce.

As próximas são de uma praia, que pode ser em qualquer parte do país, alguém dá uma sugestão?

O tesouro e o tesourinho

 O tesourinho na sua prancha

 O tesouro na crista da onda (que não havia)

Uma construção na areia, feita pelos 4

E com direito a uma ida à feira.




quinta-feira, 6 de setembro de 2012

Desafio - Caminhos de Portugal I - Resultado

... As férias tiveram início em Aveiro, como disse a Su e muito bem.

Estivemos por lá 2 dias, que foi o suficiente, e ficámos aqui, nada de especial, o único local onde consegui fazer a reserva, pois Aveiro estava com muita gente, mas é um sítio simpático.














Até ao próximo desafio...